Relato de prova: Naventura Ouro Fino 30km

No dia 20 de fevereiro ocorreu a primeira etapa do Circuito Naventura de Corridas de Montanha, em 2016 se comemora o décimo aniversário da empresa e quem ganha são os atletas, como forma de valorização de seus clientes a Naventura abrirá por 10 dias um lote promocional para todas as provas no valor de R$ 110,00, o que é uma excelente oportunidade para correr uma prova de montanha bem organizada e estruturada por um valor justo e acessível, bem diferente de várias outras empresas que estão cobrando pequenas fortunas por provas de montanha que nem são tudo aquilo.

E eu tive a oportunidade participar da prova de uma maneira inédita pra mim, ganhei a inscrição em uma promoção no Instagram na Naventura, fiquei bem contente, pois nunca ganhei ou fui sorteado em nada (eu já disse que não acredito em sorte? continuo não acreditando no acaso).

A prova ocorreu na Estância Mineral Ouro Fino na região de Bateias, próximo a Campo Largo, apesar de já terem realizados outras provas no local, essa teve percurso alterado, incluindo o Morro da Endoença, muito casca grossa, conto mais pra frente e o já conhecido Morro da Palha.

Cerca de 1Km após a largada consegui me afastar um pouco do pelotão de corredores, mas ainda teve congestionamento.

Pela altimetria apresentada no mapa do percurso de 30Km eu já esperava uma prova dura, mas nada extraordinário e aconteceu exatamente o contrário tivemos uma prova de nível de dificuldade igual ou superior ao Araçatuba Half Marathon.

Às 09:00 (em uma altitude de 882m) mais de 600 atletas largaram (todas as distâncias largaram junto), larguei ao lado dos amigos César e Dirceu, mas logo nos distanciamos na multidão, os primeiros metros foram no asfalto, mas logo em seguida entramos em uma estrada de chão com muita lama (segundo os locais havia chovido na noite anterior), dessa vez consegui me policiar e não largar num ritmo forte, o que também tem sua desvantagem, tive que fazer muitas ultrapassagens e apesar da estrada não ser single track também não era muito larga, o que me obrigava a passar pelo “acostamento” com mais lama.

Eu e o amigo Dirceu, corremos juntos o início da prova, até chegar na subida do Morro da Palha depois ele foi se embora na frente. rs

Creio que seja mais fácil pra organização de prova fazer todas as largadas ao mesmo tempo, porém não vejo vantagem para os atletas ainda mais quando a prova tem centenas de participantes, superlotação em uma prova de trail tira toda experiência do atleta de contato com a natureza, de momentos de estar sozinho, em silêncio

Meu segundo companheiro na prova foi o Gigio, corremos um bom trecho quase até o final da prova, nessa foto estávamos finalizando a subida quase vertical do Endoença.

A lama diminuiu mas o piso continuava molhado e mais liso, quase escorreguei duas vezes e vi alguns atletas indo pro chão, as subidas ficaram mais fortes e muitos começaram a andar o que facilitou as ultrapassagens, e por uns 8Km foi uma montanha russa de subidas e descidas fiquei feliz de ter aguentado o trecho todo correndo, até que chegou a subida para alcançar o cume do Morro da Palha (existem locais que divulgam uma altitude de 1190m, 1170m e outros 1080m, meu GPS indicou 1067m), na subida do Morro do Palha  parei de correr e fui caminhando em um passo rápido. Depois de alcançar o cume do Morro da Palha teve início uma “queda livre” com distância de 5Km, de onde saímos de 1067m e fomos para 750m de altitude (e é lógico que tudo o que desce tem que subir).

Depois de alguns quilômetros correndo em estrada (chato), entramos numa trilha e corremos cerca de 100m dentro de um rio, foi legal e refrescante, e finalmente chegou o Morro da Endoença literalmente o ponto alto da prova, com mais de 1100m de altitude e subidas com mais de 40º de inclinação, ali foi tenso (e legal), nesse ponto eu estava correndo com o Gigio, chegando no cume do morro a recompensa, uma corrida pela crista da montanha, animal! E é claro, descida muito técnica, nesse ponto até ficou meio tenso pois vi dois corredores estirados no chão machucados, mais pra baixo um pouco encontramos o socorro indo de encontro aos machucados, pesado o clima, estava muito quente então acho que muita gente ficou desidratado com o brutal esforço.

E por fim caí numa estrada e fui rumo a chegada, prova finalizada, que dureza!!

Feliz de ter finalizado a prova, o tempo não foi grande coisa, mas analisando o percurso e as condições climáticas, foi uma grande vitória, sem a menor dúvida uma das provas mais difíceis que já encarei nesse distância.

Desenterrei esse relato do rascunho do blog rs, vou publicar e outra hora termino ele por completo, abraços e boas provas e treinos a todos!

 

Site da prova: http://www.naventura.com.br/Orfn/Aprsntc.html

Resultados: http://www.chiptiming.com.br/resultados/naventura/ourofino

Fotos: http://www.esportenafoto.com.br/video/184

Meu percurso no Strava: https://www.strava.com/activities/498099675

Foto Instagram: https://www.instagram.com/p/BCMdQPKOHP1/

Autor: Diego Denega

Compartilhar essa postagem

Digite seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *