Relato de Prova: 1ª Corrida de Montanha Paraíso da Serra (Campo Alegre – SC)

Enquanto vários amigos encaravam a maratona mais casca grossa do país, a Maratona dos Perdidos,  eu, minha esposa e amigos rumávamos para a cidade de Campo Alegre, no norte de Santa Catarina, meu objetivo ano passado era encarar os 44Km dessa maratona agora em 2015, no entanto meu ritmo de treino caiu drasticamente e seria meio insano participar de uma prova tão exigente (infelizmente ainda não estou no nível do Cerdeiro (piada interna)).

Corrda de Montanha Paraíso da Serra

A largada da prova ocorreu às  15:30, então não tive necessidade de madrugar como acontece na maioria das provas, saímos de Curitiba confortavelmente às 10:00 e chegamos às 12:30 indo via Tijucas do Sul passando por Agudos do Sul e São Bento do Sul, chegando em Campo Alegre estacionamos próximo a praça\calçadão central e fomos curtir o Festival de Inverno, pensem em uma quantidade absurda de comidas deliciosas, mas como eu iria correr algumas horas depois tive maneirar na alimentação.

Várias atrações no Festibal de Inverno da Campo Alegre SC

Várias atrações no Festibal de Inverno da Campo Alegre SC

O tempo colaborou, temperatura amena e sem chuva

O tempo colaborou, temperatura amena e sem chuva

Campo Alegre é como toda cidade catarinense, bonita, simpática e aconchegante, recomendo fortemente quem estiver passando pela região fazer uma visita mesmo que rápida para conhecer os pequenos encantos da cidade.

Largada da corrida

Largada da corrida

Mas chega de papo, vamos para o que interessa, o kit da prova consistia em um numeral (retornável), uma camiseta de dry-fit manga longa (bem bonita por sinal) e uma toalha de mão, não houve chip de cronometragem, a organização fez tudo a mão, o que na prova com 160 participantes não fez muita diferença, larguei no fundo, devo ter perdido no máximo 5s até passar pelo portal da largada.

Pelotão indo enrfrentar os 8,5Km da prova

Pelotão indo enrfrentar os 8,5Km da prova

Largamos em uma via de asfalto e com pouco mais de 1Km iniciou-se as subidas, nada muito extremo, sob um leve sobe e desce chegamos no km4 onde finalmente acabou o asfalto, entramos em uma Parque (ou propriedade) que tinha um bela cascata com 60m de queda (Cascata Paraíso), ali as coisas ficaram mais interessantes, entramos em um single track com muita inclinação positiva e terreno escorregadio, nesse momento senti falta de estar treinando montanha,  poucos meses atrás eu faria todo o trecho de subida correndo (devia ter no máximo 600m, tive que andar), ao término da subida mais trilhas com descidas divertidas e escorregadias, mas tudo que é bom dura pouco, no km6 voltamos ao asfalto, alternando por pequenos trechos de estrada de chão.

Cascata Paraíso, mais de 60m de queda livre, um dos pontos altos da prova.

Cascata Paraíso, mais de 60m de queda livre, um dos pontos altos da prova.

Fim de prova, meu GPS marcou 8,5Km (500m a mais do que a distância oficial, apesar de constar no regulamento de 8 a 10Km (esperto eles, assim evitam problemas na quilometragem como vimos o UTAG e Half Mision), completei o percurso em 53m23s, pace médio de 6’17″s com melhor km em 4’03” e pior  em 12’02”, o desnível positivo ficou em 281m e o total em 560m.

Na chegada

Na chegada

Na chegada o recebimento da medalha e muito comida boa para os atletas, frutas, iogurte, refrigerante, bolos e tortas, coisa fina mesmo.

Parceiro de corridas Wagner no pós-prova

Parceiro de corridas Wagner no pós-prova

A prova foi organizada pela ATRICOR (Associação dos Triatletas e Corredores de Rua de São Bento do Sul), achei muito boa a organização, cumpriram o cronograma, entrega do kit sem nenhum problema, kit bacana, pontos de hidratação adequadados para o percurso, boa sinalização, vários staffs indicando o caminho,  não creio que a falta do chip de cronometragem tenha prejudicado ninguém, valor da prova justo, pós prova farto de hidratação e alimentação.

Minhas únicas ressalvas são: Não foi divulgado o percurso da prova (pelo menos eu não achei em lugar nenhum),  isso me fez levar 2 tênis distintos, um La Sportiva Anakonda (caso fosse uma prova de montanha pura) e um Salomon Speedcross 3 (que eu acabei usando por ser um terreno misto), no final das contas eu podia ter ido com um tênis de corrida rua (ia sofrer um pouco na parte de trilha, mas compensaria no asfalto), a outra é referente ao percurso, não que tenha sido um percurso ruim, mas poderia ter sido melhor, mais estrada de chão, altimetria, paisagens bonitas. Como o percurso não foi divulgado previamente, sabendo apenas do local de largada fiz um levantamento da região no Google Earth e vi que muito próximo ao centro existem quilômetros de estrada de chão com muitas subidas e descidas e paisagens belíssimas, espero que nas próximas edições explorem melhor a região e criem percursos maiores.

 

Abraços e até a próxima!

*Fotos por Jéssika Denega.

Links relevantes:

Clique aqui para baixar o percurso em GPX (Google Earth e gerenciadores de corrida, arquivo compactado, necessita do WinRar ou similar)

Resultados da prova

Regulamento e Informações da prova

Fotos da prova no Facebook Do Trail Running Net

 

 

 

Autor: Diego Denega

Compartilhar essa postagem

Digite seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *