Arquivos Notícias - Página 2 de 5 - TrailRunning.NET | Corridas de Montanha | TrailRunning.NET | Corridas de Montanha
Relato de prova: Pro Trail Running e Copa Brasil de Corrida em Montanha Paranaguá
nov27

Relato de prova: Pro Trail Running e Copa Brasil de Corrida em Montanha Paranaguá

Outubro foi o meu mês de provas,  no dia 18 participei da 14ª Corrida da Serra da Graciosa uma das mais tradicionais corridas do gênero Uphill no país, com percurso de 20Km e aproximadamente 1000m de desnível positivo, a prova contou com mais de 800 atletas inscritos que encararam frio, neblina, rajadas de ventos e chuva, foi uma bela oportunidade para encontrar vários amigos e correr em segurança na bela Estrada da Graciosa (você até pode correr lá final de semana, mas a estrada não tem acostamento, os carros ficam tirando fino), meu objetivo era um tempo de prova de 2h, mas estaria satisfeito se o tempo fosse abaixo de 2h30m, e não é que acertei na mosca! Meu tempo líquido foi de 2 horas e 37 segundos , fiquei muito contente com a minha evolução, como comparação em abril deste ano eu fiz a Meia Maratona de Balneário Camboriú em 1h57m, prova que o desnível positivo que não chegou a 300m. Dirceu, Luiz e eu (o cara de rosa eu não lembro o nome). Foto: Amazing Runs Subida da serra com o Thiago Cerdeiro Foto: niltonjunior fotografia 20Km finalizados! Foto: niltonjunior fotografia Link para a minha prova da Corrida Graciosa no Strava: https://www.strava.com/activities/415617256 Saiba mais como foi a prova da Serra da Graciosa: http://www.amazingruns.com.br/#!A-14ª-CORRIDA-DA-SERRA-DA-GRACIOSA-VOLTOU/c1gk0/56255a100cf2c3a4a716cffe No final de semana seguinte tinha mais uma prova agendada a Pro Trail Running 10Km, do mesmo organizador da X-Trail Run (que na ocasião me surpreendeu positivamente) tanto que escrevi um relato aqui. Um dia após a Corrida da Graciosa conversando com amigos uma prova me chamou a atenção, a Copa Brasil de Corrida em Montanha Paranaguá, o percurso passaria pelo Parque Estadual Saint Hilarie, tendo como destaque o Morro do Inglês, pelo perfil altimétrico o percurso de 21Km teria mais de 1500m D+, fiquei alucinado, e além disso vários amigos já estavam inscritos, minha inscrição foi confirmada na terça-feira e na quarta-feira um notícia bombástica, alteração no percurso, não conseguiram autorização ambiental do parque, conforme imagem abaixo. Vários atletas ficaram revoltados e foram para as redes sociais reclamar (inclusive eu), logo em seguida a organização anunciou o novo percurso que seria na Ilha do Mel, o que gerou mais protestos por conta da logística de transporte e custos envolvidos, felizmente a organização ouviu os atletas e mais uma vez alterou o percurso, porém o percurso não era nada desafiador como o primeiro proposto, mais reclamações, vários atletas estavam solicitando o reembolso da inscrição, porém conforme de acordo com o regulamento da prova,  o percurso poderia ser alterado caso houvesse algum risco para os atletas, depois de ler o regulamente desisti de pedir reembolso e decidi que iria participar da prova mesmo ela tendo passado de corrida de montanha para...

Leia mais
Relato de Prova: 1ª Corrida de Montanha Paraíso da Serra (Campo Alegre – SC)
jul21

Relato de Prova: 1ª Corrida de Montanha Paraíso da Serra (Campo Alegre – SC)

Enquanto vários amigos encaravam a maratona mais casca grossa do país, a Maratona dos Perdidos,  eu, minha esposa e amigos rumávamos para a cidade de Campo Alegre, no norte de Santa Catarina, meu objetivo ano passado era encarar os 44Km dessa maratona agora em 2015, no entanto meu ritmo de treino caiu drasticamente e seria meio insano participar de uma prova tão exigente (infelizmente ainda não estou no nível do Cerdeiro (piada interna)). A largada da prova ocorreu às  15:30, então não tive necessidade de madrugar como acontece na maioria das provas, saímos de Curitiba confortavelmente às 10:00 e chegamos às 12:30 indo via Tijucas do Sul passando por Agudos do Sul e São Bento do Sul, chegando em Campo Alegre estacionamos próximo a praça\calçadão central e fomos curtir o Festival de Inverno, pensem em uma quantidade absurda de comidas deliciosas, mas como eu iria correr algumas horas depois tive maneirar na alimentação. Campo Alegre é como toda cidade catarinense, bonita, simpática e aconchegante, recomendo fortemente quem estiver passando pela região fazer uma visita mesmo que rápida para conhecer os pequenos encantos da cidade. Mas chega de papo, vamos para o que interessa, o kit da prova consistia em um numeral (retornável), uma camiseta de dry-fit manga longa (bem bonita por sinal) e uma toalha de mão, não houve chip de cronometragem, a organização fez tudo a mão, o que na prova com 160 participantes não fez muita diferença, larguei no fundo, devo ter perdido no máximo 5s até passar pelo portal da largada. Largamos em uma via de asfalto e com pouco mais de 1Km iniciou-se as subidas, nada muito extremo, sob um leve sobe e desce chegamos no km4 onde finalmente acabou o asfalto, entramos em uma Parque (ou propriedade) que tinha um bela cascata com 60m de queda (Cascata Paraíso), ali as coisas ficaram mais interessantes, entramos em um single track com muita inclinação positiva e terreno escorregadio, nesse momento senti falta de estar treinando montanha,  poucos meses atrás eu faria todo o trecho de subida correndo (devia ter no máximo 600m, tive que andar), ao término da subida mais trilhas com descidas divertidas e escorregadias, mas tudo que é bom dura pouco, no km6 voltamos ao asfalto, alternando por pequenos trechos de estrada de chão. Fim de prova, meu GPS marcou 8,5Km (500m a mais do que a distância oficial, apesar de constar no regulamento de 8 a 10Km (esperto eles, assim evitam problemas na quilometragem como vimos o UTAG e Half Mision), completei o percurso em 53m23s, pace médio de 6’17″s com melhor km em 4’03” e pior  em 12’02”, o desnível positivo ficou em 281m e o total...

Leia mais
Como visualizar ganho de elevação no Nike Plus (Altimetria no Nike+)
jul14

Como visualizar ganho de elevação no Nike Plus (Altimetria no Nike+)

Atualizado em 01 de maio de 2017. Finalmente atualizaram o Nike Plus para mostrar altimetria, porém como o gerenciador de corridas mais utilizado na atualidade é o Strava, talvez a dúvida seja como passar o treino do Nike Plus para o Strava, a resposta é bem simples, utilize esse site: https://nike.vinz.xyz/#/strava-auth você logo no Strava e depois no Plus, seleciona o treino e faz o upload pro Strava, simples assim. Em 2013 quando comecei a treinar corrida no parque próximo a minha casa (Parque Bacacheri), instalei um app que achava muito legal e completo o Nike Plus (disponível pra iOS e Android), achava bem interessante poder correr escutando música pelo próprio app, ver o mapa da minha corrida após sincronizar no site,  e as minhas conquistas (km mais rápido, 5Km mais rápido, maior distância percorrida e por aí vai), até que um belo dia o app começou a travar, no meio da corrida eu perdia toda a minha atividade. Com o App Of The Day conheci e instalei o Runtastic e o Nike Plus ficou obsoleto, paralelo a essa migração eu começava os treinos na montanha e descobri o que significava D+, D-, altimetria, um item que o Nike Plus ignorava por completo. Passado pouco mais de 2 anos, comprei um relógio GPS que consegui em uma promoção da Nike Factory, o modelo é o Nike + Sportwatch GPS TomTom, e como o nome já indica, ele usa o Nike Plus para fazer a sincronização das atividades (para a nossa alegria…sqn), imaginei que após esse longo período os desenvolvedores da Nike já tivessem implementado o ganho de elevação em seu software, mas tudo continua na mesma, a única informação disponível é em um gráfico altimétrico, mas ainda sem a importante informação de ganho e perda de elevação, fundamental para quem corre montanha. Passei quase uma hora pesquisando na Internet se era possível visualizar essa informação, e o que achei de mais interessante foram pessoas reclamando no FB do Nike Running que essa informação ainda não é disponível, a primeira reclamação aconteceu em março de 2013, e a resposta é que o feedback seria passado para time de desenvolvimento e que em breve seria implementado, várias outras reclamações e a mesma resposta, e nenhuma mudança, quem quiser ver e reclamar: https://www.facebook.com/nikerunning/posts/10151472917947976 para uma reclamação mais formal use esse link: http://gonike.me/618253oq Enfim, a solução que encontrei para ter acesso ao ganho de elevação dos meus treinos foi a seguinte, exportar o treino do Nike + para um arquivo GPX e importar no Runtastic, siga os passos: 1. Entre no site Nike + Data Exporter: https://nikeplusexporter.rhysmccaig.com/ 2. Coloque seu nome de usuário e senha do Nike + (pode ficar tranquilo que o site não vai roubar os...

Leia mais
Breve relato de prova: X-Trail Run 2015
jul01

Breve relato de prova: X-Trail Run 2015

No dia 27 de junho de 2015 (sábado), foi realizado no Parkball Centro de Eventos em São José dos Pinhais a prova X-Trail Run 2015 com distância de 8Km. Não criei muitas expectativas, o que foi muito bom, pois na retirada do “kit” simplesmente não havia um kit, apenas o numeral e o chip, tá certo que o valor da inscrição foi baixo, salvo engano creio que paguei R$ 20,00, e o no primeiro lote era apenas R$ 10,00, mas ainda assim pela quantidade patrocinadores (Prefeitura de SJP, Sanepar, Luson, Artany e outros…) deveria ter pelo uma camiseta (já fiz outras provas de R$ 20,00 que tinham kits consideráveis), porém a cereja do bolo foi que a  primeira data da prova (17/05) foi cancelada por falta de alvará da prefeitura um dia antes da prova, remarcaram para o dia 27/06 e felizmente a prova aconteceu conforme o previsto, mas essa foi uma falha grave pelo o que fiquei sabendo tinha gente de outros estados vindo exclusivamente para a prova. Finalmente chega o dia 27/06 e no local da prova, tudo nos conformes, som ambiente, bastante espaço, muitas informações sobre o percurso eram dadas no som, apenas uma ressalva para o banheiro feminino que formava uma fila de 50m. Às 15:00 a largada, achei o percurso bem interessante e desafiador, apesar de não apresentar grande altimetria, tinha subidas, descidas, single tracks e lamaçais, o que decepcionou um pouco foi o fato dele só ter 4Km, sendo necessário 2 voltas para completar os 8Km, eu particularmente acho muito tedioso e desmotivador ficar dando voltas em circuitos, mas ainda assim foi divertido, como não portava GPS vou ficar devendo o mapa e altimetria, assim que eu conseguir o GPX com alguém eu posto aqui. Destaque para o staff da prova que foi composto por escoteiros, achei muito legal, todos super empolgados em suas atividades, como pode ser visto na foto abaixo. No final da prova mais surpresas, primeiro uma fila gigantesca para retirar a medalha, vale ressaltar que haviam mais de 500 participantes, ainda assim devia ter sido planejado uma retirada de medalha mais eficiente, e segundo que a medalha não é da mais belas, feita de maderite com uma impressão falha colada nela, pode-se considerar uma medalha ecológica o que é legal, mas podia ter um acabamento mais bacana. Enfim este foi o resumo da prova X Trail Run 2015, passei no cronometro da prova com 55m54s (apesar do meu tempo divulgado ser de 56 minutos redondos),  não considerei um tempo ruim levando em conta que nos último meses meus treinos reduziram drasticamente (nada de treino de montanha), achei uma prova bem bacana com alguns (vários) pontos que...

Leia mais
Relato de prova: XTERRA COSTA VERDE I ENDURANCE 50K
maio06

Relato de prova: XTERRA COSTA VERDE I ENDURANCE 50K

Hoje deixo o meu breve relato sobre o XTERRA Costa Verde I Endurance 50K 2015, a prova foi realizada na cidade de Mangaratiba – RJ na região chamada de Costa Verde nos dias 07 e 08 de março. Empreendido pelo XTERRA BRASIL, o evento é um verdadeiro festival esportivo, como eu nunca tinha visto antes, tudo começou na sexta-feira com a retirada de kits  e finalizou no domingo com a prova de triathlon e as premiações. Pessoalmente essa foi uma prova muito especial, pois foi a minha primeira maratona, já me sentia preparado a um bom tempo para realizar os 42Km, porém estava aguardando uma prova memorável e posso dizer que o Endurance 50K atendeu as minhas expectativas. A sede da prova foi no hotel Portobello Resort e Safari, um hotel bem “simples”, com pista de pouso para aviões de pequeno porte, marina, heliporto e como o nome já diz um safari.rs A organização da prova fechou um contrato para hospedagens com valores promocionais, a diária para o apartamento single standard custava módicos R$ 640,00, ficamos em um hotel bem simples (e sem café da manhã) chamado Jacareí Nevada Praia Hotel onde a diária saiu a R$ 165,00 para duas pessoas, um dica importante para quem for participar de futuras edições, reserve o seu hotel com muita antecedência, por pouco mais poderíamos ter ficado em um hotel com estrutura e conforto superior, mas demorei para fazer a reserva e já estava tudo ocupado. Às 07:00 do sábado foi dada a largada para os atletas dos 50Km, o primeiro e segundo quilometro já iniciam com um desnível positivo de quase 100m, e na sequência o oleoduto da Petrobras, que não é um trecho muito longo, cerca de 2Km mas com muito desnível (+200m), depois disto um trecho quase plano em meio a estradinhas da região. Algumas semanas ante desta prova fiz um treino na Estrada da Graciosa no Paraná, o mesmo foi de muita valia, pois na prova passamos pela chamada Serra do Piloto, de certa forma bem parecida com a Estrada da Graciosa, foram 7Km com 250m de desnível positivo, infelizmente no asfalto, mas com uma bela vista para o litoral e monstruoso oleoduto que passamos anteriormente. No km15/16 chegamos ao posto de controle, que contava com uma mesa com frutas e Coca Cola, após aquela revigorada, iniciou-se uma descida forte, descemos tudo o que subimos e mais um pouco, voltamos a pegar o oleoduto no sentido contrário, dessa vez sem o vigor da primeira passagem, mas ainda assim estava me sentindo bem, porém no km38 as pernas começaram a falhar já era um trecho praticamente plano, durante toda...

Leia mais
Novidade: K21 Series Joinville
jan23

Novidade: K21 Series Joinville

Após a estréia da etapa de Curitiba em 2013, a K21 Series traz mais uma boa surpresa para os corredores de Santa Catarina e do Paraná, a K21 Series Joinville, com distâncias de 5 Km, 10 Km e 21 Km. A prova será realizada no dia 14 de junho de 2015. O percurso oferece em sua geografia os atrativos da mata atlântica. É cercada por montanhas cujo ponto mais alto é o Pico Serra Queimada (1325 metros), Serra da Tromba (967 metros) e Pico Jurapê (1149 metros). Mais informações: http://k21series.com/joinville/ Confira algumas fotos da região: Morro da Tromba 967m – Crédito da imagem: Go Faster Morro da Tromba 967m – Crédito imagem: Montanha Livre Pico Jurape 1149m – Crédito da imagem: Itamauro Pico Jurape 1149m – Crédito da imagem: Gofaster Pico Jurape 1149m crédito da imagem : Montanha Livre Serra Queimada 1325m Crédito da imagem: Ademir Sgrott Vista do Morro da Tromba 967m Crédito da imagem: Montanha Livre Abraços e até a próxima corrida!    ...

Leia mais
K42 – Patagônia Argentina
dez20

K42 – Patagônia Argentina

Pouco mais de um mês depois da prova, quase 100% recuperada rss, segue o relato da minha primeira Maratona. Comecei a correr faz uns 3 anos, mas realmente me dediquei aos treinos quando decidi correr os 42km da Patagônia. Inspirada pelo vídeo da prova que mostrava um dos lugares mais lindos que eu já vi, resolvi me inscrever, e no começo de 2014 comecei a levar a sério a musculação e todo tipo de fortalecimento que me indicaram para tratar os joelhos que doíam muito. Muitas vezes pensei em desistir.. quando os treinos sozinha não fluíam e os joelhos não melhoravam. Mas deu certo!! Cerca de 5 meses depois lá estava eu nos treinos de montanha com a FC Trail.. A partir daí comecei a me divertir e ganhar confiança, fui aumentando o volume de treinos longos até pouco tempo antes da prova que foi dia 16 de Novembro. Então neste dia lá estava eu super ansiosa e feliz por estar lá pronta para o desafio, independente do resultado que tivesse. Foi dada a largada!! Cada trecho mais lindo que o outro, a paisagem as casas, os rios que atravessamos com água super gelada, os bosques com árvores gigantes, a prova foi incrível, o lugar e a paisagem inesquecíveis, a expectativa de chegar no cume e correr na neve era tão grande que nem fome eu senti, comi por obrigação.. mas não usei nem metade do que carreguei… Uma subida tensa nos últimos 4km até chegar ao cume… foi difícil, se não fossem os treinos no Araçatuba eu teria entrado em pânico nesse momento..haha.. E finalmente cheguei lá com umas 6 horas e pouco… Só conseguia pensar em como tudo valeu a pena, agora era só descer. Curti cada momento e terminei a prova super bem fechei com 7:50, um pouco mais do que eu esperava mas por muitos quilômetros diminui um pouco o ritmo para acompanhar um amigo que não estava muito bem e achei que isso valeria mais a pena do que um tempo mais baixo na prova. E foi muito bom, obrigada aos amigos que me incentivaram nos treinos vocês foram decisivos nessa conquista. Experiência inesquecível, recomendo a todos o k42 da Patagônia, percurso, visual, nível de dificuldade e estrutura da prova excelentes. Daniella Cerdeiro  ...

Leia mais
O melhor pior treino que já fiz (Colônia Castelhanos)
dez14

O melhor pior treino que já fiz (Colônia Castelhanos)

O Paraná é um estado privilegiado para a prática do trail running, principalmente nas redondezas da capital, temos o Morro do Canal\Caminho Trentino, “Cross da Copel”, Morro da Palha, Morro do Capivari, Morro dos Perdidos, Morro do Araçatuba, Serra do Quiriri isso sem contar as montanhas da Serra do Mar como o Pico Morumbi, Pico Paraná, Anhangava e várias outras. Esse mês (dez/14) estou completando 1 ano e 5 meses de prática do trail running, não é muito, mas desde o meu início já treinei em vários dos locais que citei acima, muitos dele com elevado grau dificuldade, e por incrível que pareça o treino mais casca grossa não é no Morro dos Perdidos com sua subida “interminável” de 4,5 Km e mais de 700m de desnível positivo (isso quando não fazemos o percurso 2x), ou mesmo o Morro do Araçatuba com 1500m de desnível positivo, paredões de rocha escorregadias e trilhas técnicas. O mais casca grossa, o “melhor pior treino” fica em uma estrada de chão com entrada pela  BR 376, na Colônia Castelhanos. A Colônia Castelhanos é situada a aproximadamente a 70 Km de São José dos Pinhais (sede do município) com acesso pela BR-376 e em uma área de preservação ambiental, foi colonizada inicialmente por indígenas, depois por imigrantes ucranianos e poloneses.   Não vou explicar o acesso detalhadamente, acesse o link: https://danielcastelhanos.wordpress.com/2013/05/15/acesso-via-br-376-km-664/  que você terá uma explicação detalhada. Deixe o carro estacionado na frente da lanchonete. Vou  descrever o percurso de 31 Km, a altitude no início da estrada é de 785 m, e o percurso começa com um trecho misto de subidas e descidas, e nos primeiros quilômetros é fácil manter um bom ritmo, na sequência se encontra uma bifurcação com um ponto de ônibus a esquerda, este local é importante pois é ali que se define se o treino será no sentido horário (esquerda), ou anti-horário (direita), costumamos fazer no sentido anti-horário devido a maior quantidade de pontos de hidratação, mas não se preocupe você irá sofrer em qualquer um dos dois, vou descrever o o sentido anti-horário. Por volta do Km 4,5 se inicia uma descida de 10 Km até o centro do vale, a altitude no ponto mais baixo é de 251 m. Se tiver chovendo ou a estrada estiver molhada, vai ser uma descida com muita lama por isso é recomendado ir com um tênis que tenha travas no solado, e mesmo assim irá grudar barro, mas as chances de escorregar e cair diminuem. Fique atento que nessa descida há um ponto de hidratação (uma pequena bica na lateral da estrada), eu  nunca a percebi, mas vários colegas dizem que ela está lá, quase no final do vale você...

Leia mais
10Km de trilhas na mata atlântica (ou quase isso)
dez01

10Km de trilhas na mata atlântica (ou quase isso)

No último domingo (30/10) participei da prova Trail Mata Atlântica 10K Antonina da Correr e Nadar, na divulgação do evento constava como um percurso 100% em trilha, na realidade deve ter sido uns 90%, mas com a margem de erro do IBOPE…rs Nada que desabone a prova, esses 10% na estrada de chão (com lama) foram importantes para “desafogar o trânsito”. O evento contou com mais de 100 atletas a maioria de assessorias esportivas (João Andarilho, Academia Reação, Studio Naréu, Diniz Treinamentos e várias outras), arrisco a dizer que esse número foi ideal, acima disto teríamos os terríveis congestionamentos na trilha. A largada aconteceu no horário programado (09:00), os atletas se posicionaram no pequeno pórtico e largaram, tentei ficar bem próximo a saída para evitar o congestionamento, mas não teve jeito era muita gente, não consegui caminho livre, em menos de 300m rodados surge o primeiro obstáculo, atravessar o Rio do Nunes com sua água gelada e pedras escorregadias, como tinha muita gente atravessando a água ficou turva e alguns atletas usavam os outros como apoio sem o seu consentimento, paciência, trail running tem disso querendo ou não, é colaborativo. Após o rio veio um bom trecho de estrada de chão, o que permitiu separar um pouco os atletas, consegui ficar próximo ao primeiro pelotão e na segunda travessia do Rio do Nunes ninguém se apoiou em mim.kkk  Mais estrada de chão com lama, ultrapassei mais alguns e nem cedo e nem tarde surgiu a trilha single track, com muito barro e subida (começou a chover nessa hora),  as ultrapassagens reduziram bastante todo mundo foi mais ou menos no mesmo ritmo, até que a trilha ficou plana e deu para dar uma puxada, ainda assim ultrapassagens eram difíceis, no total devo ter passado apenas uns 5 na trilha, aproveitando-se de momentos em que os cadarços se desamarravam e de travessias de rios. No geral achei o percurso bem sinalizado, apenas em um trecho quase no final da prova me perdi um pouco, era um local em que a marcação indicava subida, mas era descida, o que me salvou foi o som da concentração que vinha de baixo, logo que finalizei a prova voltei neste trecho para orientar os corredores, acabei achando uma fita solta e fiz uma marcação complementar. O desnível positivo da prova ficou em 255m, mas a impressão que tive é que era um pouco mais do que isso, não levei o celular com o Runstatic para fazer a minha medição pois fiquei com medo de estragar o aparelho (teria molhado mesmo). O trecho de trilha foi bastante corrível (fora a subida) ofereceu o que se esperava, folhas caídas, tocos, troncos de árvores, lama,...

Leia mais
Esse é o vídeo de divulgação de uma prova de Trail Running mais engraçado que você verá este ano…
set26

Esse é o vídeo de divulgação de uma prova de Trail Running mais engraçado que você verá este ano…

Site da prova: http://www.vulcanoultratrail.com/

Leia mais